superando a preocupacaoConfie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas. (Provérbios 3.5-6)

Vamos fazer uma pequena escavação. Gostaria de sugerir três observações importantes no que acabamos de ler:

Primeiro: Existem quatro verbos – palavras de ação – nesses dois versículos: confiar, não se apoiar, reconhecer, endireitar. Um olhar mais atento vai revelar que os primeiros três versículos são mandamentos. São dirigidos aos filhos de Deus, os cristãos. Eles representam nossa responsabilidade. O quarto verbo é uma promessa. Ela especifica a parte de Deus na transação, a responsabilidade Dele.

Segundo: O mesmo termo é usado pelo menos quatro vezes. Você pode achá-lo? Olhe novamente para o texto. Circule as palavras seu/seus/suas. Na verdade, Deus está enfatizando a natureza pessoal dessa verdade. Também está nos dizendo que devemos nos apossar dela individualmente – ninguém mais pode aplicá-la por nós. A sua responsabilidade nas suas circunstâncias é confiar com todo o seu coração… e recusar se apoiar no seu próprio entendimento… reconhecendo-o em todos os seus caminhos.

Terceiro: A primeira frase está ligada à última, dando-nos a ideia principal (Confie… Ele endireitará). As duas frases do meio somente amplificam a ideia principal (Não se apoie… reconheça). Devo confiar em meu Senhor sem hesitação e sem reservas – com todo o meu coração – de maneira que Ele possa intervir e assumir o controle, tornando minha vida cheia de significado e reta.

 

Charles Swindoll

 

pratica"... Todo aquele, pois, que ouve as minhas palavras e as pratica será comparado ao homem prudente" (Mateus 7:24, 25).

Não é suficiente que apenas ouçamos o que Jesus tem a dizer, o texto diz o seguinte: "... ouve as minhas palavras e as pratica...". 
Não é suficiente que nós, todos os dias, gastemos um tempo ouvindo um programa de rádio, ou ouvindo alguma mensagem, é importante que nós pratiquemos, e esta é a segunda coisa que Jesus nos orienta para que edifiquemos uma vida sólida. 
Prática. 

O conhecimento só é relevante quando transformado em ações. 
Sim, imagine que aplicássemos um teste a respeito da moral e da ética com alguém que não pratica a moral e a ética, mas ele sabe o que é certo e o que é errado, você dá aquele teste – nós estamos falando então de teoria, nós estamos falando de tese – eu posso garantir a você que essa pessoa poderia tirar 10, você perguntaria: é certo dizer a verdade ou mentir? 
Ele diria: "dizer a verdade". 
É certo ser fiel à esposa ou ser infiel? 
E ele diria: "ser fiel à esposa". 
Mas de que serviria todo esse conhecimento se essa pessoa não transformasse o seu conhecimento em ação? 
Teoria, sem prática, não nos serve de muita coisa. 

Essa é a ideia por trás do evangelho. 
O conhecimento deve tornar-se ação. 
Teoria deve tornar-se prática. 
Teologia deve tornar-se vida.

 

Pr. Leandro Tarrataca

 

UmaBoaTeologiaSua teologia é boa? Se tivesse um encontro face a face com Jesus para avaliar a sua teologia com Ele, daria certo para você? Sua teologia aguentaria o olhar de Jesus?

Em João 5:38-47 Jesus avaliou a teologia dos fariseus que O estavam criticando continuamente. A avaliação de Jesus foi dura. Os teólogos não se saíram bem. Ouçam a avaliação de Jesus.

"Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham a meu respeito; contudo, vocês não querem vir a mim para terem vida."

"Eu não aceito glória dos homens, mas conheço vocês. Sei que vocês não têm o amor de Deus. Eu vim em nome de meu Pai, e vocês não me aceitaram; mas, se outro vier em seu próprio nome, vocês o aceitarão. Como vocês podem crer, se aceitam glória uns dos outros, mas não procuram a glória que vem do Deus único?"

"Contudo, não pensem que eu os acusarei perante o Pai. Quem os acusa é Moisés, em quem estão as suas esperanças. Se vocês cressem em Moisés, creriam em mim, pois ele escreveu a meu respeito. Visto, porém, que não creem no que ele escreveu, como crerão no que eu digo?"

Veja as três coisas que estavam faltando na teologia dos fariseus.

1.     VIDA  
Eles pensaram que acharam a vida eterna nas escrituras e não precisavam de mais nada. Eles não incluíram Jesus na sua teologia de vida eterna.

2.     AMOR
Eles procuravam os elogios dos homens em vez de procurar o amor de Deus. O amor de Deus faltava neles e na sua teologia.

3.     FÉ
Conheceram todos os escritos de Moisés mas não acreditavam neles. Por esta razão não creram nas palavras de Jesus.

É Jesus que pode dizer se a nossa teologia é boa ou má. Jesus é a medida da teologia. Jesus define e aprova a teologia. Não é a teologia que define ou aprova Jesus.

 

Carlos McCord

 

sustentador"Pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos. Como também alguns de vossos poetas disseram: Somos também sua geração" (Atos 17:28).

Em Atos 17: 26 a 29, Paulo estava ministrando aos atenienses, o fato de Deus ter estabelecido as nações da terra. 
A pluralidade humana, a beleza da miscigenação que nós encontramos ao redor do mundo, as diferenças raciais, tudo foi Soberanamente estabelecido por Deus. 
E, através do Seu Governo, conforme o texto, Deus desperta o homem para que possa buscá-lo. 
Mas, é através da própria graça e da atração Divina que o homem desperta para buscar a Deus. 
Porque a Bíblia diz que não há um justo sequer, que quando tocado pela graça de Deus não vá em direção ao Seu Criador. O apóstolo Paulo deixa isso extremamente claro no versículo 28, usando inclusive um dos escritores gregos.

Em outras palavras, Paulo estava dizendo aos atenienses que uma vida não é de fato sustentada por qualquer deus. 
Eles eram extremamente politeístas, criam em uma pluralidade infindável de deuses. 
Mas a verdade é que ainda hoje, no altar do coração dos homens existem vários deuses: deus do dinheiro, deus da cobiça, da fama, do poder. 
Quando o homem busca as realizações nessas coisas ele está perdendo a sustentação da sua própria vida! 
Quem realmente nos sustenta é o Deus que governa todas as coisas!

 

Pr. Leandro Tarrataca

 

estrada pazQuando você tem um sonho, um propósito e alguns alvos na vida que quer ver realizados, sua tendência é deixar o imediato e trabalhar neles, em vez de permanecer fiel às tarefas do presente. Com isso em mente, deixe-me dar as primeiras três definições de paz:

1 - Paz é permanecer fiel, apesar do pânico pelos sonhos não realizados.
Você e eu temos alvos, sonhos e desejos que ainda não foram realizados. Nossa tendência é montar nosso puro-sangue e sair a todo galope em direção a eles, abandonando as tarefas do presente, à medida que nos dedicamos aos nossos sonhos, que são muito mais excitantes. Paz é a habilidade de permanecer fiel mesmo quando os sonhos não estão se realizando. Se você se esquecer disso, vai se frustrar e sua paz vai desaparecer rapidamente.

2 - Paz é a capacidade de manter a calma, apesar do pânico das circunstâncias desagradáveis.
Você está enfrentando uma situação incontrolável, uma incerteza? Algo de onde não se pode tirar nenhuma satisfação? Uma situação que é desagradável, desconfortável e infeliz? O Senhor quer que nós o glorifiquemos e caminhemos com Ele, embora o que nos cerca seja desagradável.

3 - Paz é a habilidade de esperar pacientemente, apesar do pânico causado pela incerteza.
Se não apreciarmos o panorama da perspectiva de Deus, tudo o que poderemos ver serão os limites do nosso próprio quadradinho. Então, entramos em pânico. "O que farei? Como vou fazer amanhã? E sobre…? E se…? Mas…". Deus diz: 'Confie em mim. Somente confie em mim. Confie em mim de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconheça-me em todos os teus caminhos e eu endireitarei as tuas veredas' [Cf. Provérbios 3:5,6].

 

Charles Swindoll

 

Vão ao mundo inteiro e anunciem as boas-novas a todos.