unidade"Novo mandamento vos dou que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos se tiverdes amor uns aos outros" (João 13:34, 35).

Este é um desafio para as nossas vidas, é um desafio para todos nós que professamos o nome de Jesus: vivermos o amor de Jesus.

A vida cristã é um milhão de novos começos instigados por um desafio sempre novo, que é de amarmos como Cristo nos amou. Foi isso o que disse o escrito americano Lloyd John quando escreveu a respeito da carta de João. 
Ele diz uma coisa bastante interessante que eu gostaria de compartilhar com você hoje: "É verdade reorientadora em meio ao conflito, é nosso mandamento quando tratamos com pessoas difíceis e impossíveis; entretanto, por mais que fiquemos magoados ou desapontados com elas, o mandamento torna-se o novo mandamento de Cristo acerca do que devemos fazer". 

A diferença está na prática do amor, o mandamento de Levítico 19:18 estivera em vigor por centenas de anos, era repetido com regularidade e como um ritual, transformando o fulgor da vida em ossos secos de palavras sem ação. 
Jesus praticou o mandamento, ele redefiniu o significado de próximo como: "todo o povo de Deus" e esclareceu o amor como "não conhecendo limites".

 

Pr. Leandro Tarrataca

 

indiferenca"E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao Senhor vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal" (Joel 2:13).

O livro do profeta Joel trata de um assunto muito importante para todos nós e que muitas vezes é um mal silencioso em nossas vidas espirituais. 
Diferente de outros livros, esse não mostra o pecado da idolatria, ou mesmo da desobediência; a informação que temos sobre o pecado que o povo estava cometendo está no capítulo 2.13 "Rasgai os vossos corações e não as vossas vestes...".

O povo estava indiferente em relação a Deus, não adiantava que toda essa nação se unisse para participar de uma cerimônia, e rasgassem suas vestem e jogassem cinzas sobre a cabeça como era costume do povo judeu, não adiantavam os jejuns ou vigílias, nada disso teria nenhuma importância se eles não tivessem seus corações rasgados diante do Senhor. 
"Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim" (Mateus 15:8). 

Muitas vezes pecamos pela indiferença a Deus. 
Por não estarmos cometendo nenhum grande pecado achamos que está tudo bem, estamos indo à igreja, contribuímos regularmente, nos denominamos crentes, mas o nosso coração está longe de Deus... 
Queremos viver do nosso próprio jeito e Deus se torna um Deus do domingo.

 

Pr. Leandro Tarrataca

asas aguia"Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes" (Tiago 1:2-4).

Alguém já disse: Se tudo o que você tem é um martelo, todos os seus problemas serão como pregos. 
"... Tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança". 
Tiago não diz: "Se vocês passarem por várias provações", mas diz "o passardes por várias provações". 
Isso é muito importante porque deixa claro que sempre passaremos por provações.

Como um amigo descreveu: "Ou estamos entrando em provação, ou estamos dentro de uma provação ou estamos saindo de uma provação". 
A provação é como respirar: ou estamos inspirando ou expirando... entrando ou saindo! 

Considere: A rainha de Sabá "testa" a sabedoria de Salomão (1 Reis 10:1-3) e ele é aprovado. 
Abraão foi testado e saiu maior que antes do seu teste! 
Israel foi testado! 
Jesus foi testado! 
Você e eu somos testados! 

Costuma-se falar que um pássaro testa suas asas antes de voar. Quando Deus traz um teste devemos ficar felizes, pois é uma oportunidade para testarmos as asas antes de voos mais altos.

 

Pr. Leandro Tarrataca

igreja que eu facoEles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Todos os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos. (Atos 2:42-47)

Esse é um texto que vem à nossa mente quando pensamos em igreja. A igreja primitiva representa a igreja que nós sonhamos.

Aqui aprendemos algumas qualidades que essa igreja tinha sobre ensino, oração, partir do pão, comunhão, sobre dividir, compartilhar as coisas.

Os primeiros a se converterem eram na sua maioria, judeus. À medida que aceitavam o cristianismo, eles perdiam os seus direitos sociais, legais e a estabilidade, assumindo uma postura nova. Quando eles estavam procurando uma igreja para fazer parte, não existia padrão, não existia uma forma, uma maneira de ser igreja. Então eles começam a fazer essa igreja.

A igreja é algo que nós buscamos, mas que também fazemos acontecer. Não é algo pronto, mas algo em construção, que você vai buscando e vai fazendo. A igreja não é o que eu quero, a igreja é o que eu faço. Cada um de nós deve dar a sua contribuição nessa construção.

Os primeiros cristãos se dedicavam ao ensino dos apóstolos. Não eram os apóstolos que se dedicavam ao ensino. Eram as pessoas que se dedicavam, que queriam aprender. A pessoa que tem a responsabilidade de trazer a palavra está lá, mas a dedicação não é dela, é da igreja que quer aprender. Será que você está realmente querendo aprender?

Eles também se dedicavam à comunhão. Eram eles que construíam os relacionamentos. Todos eles faziam as coisas, se dedicavam para aquilo acontecer. Dedicavam-se ao ensino, à comunhão, ao partir do pão, às orações. Eles se mantinham unidos. Era uma atitude deles, eles buscavam a união, o aprendizado. Era a ação de cada um deles que construía essa igreja.

Igreja não é um local ou um grupo que eu busco que tem essas qualidades, mas é onde eu vou fazer com que essas qualidades sejam alcançadas. É um local de contínuo desenvolvimento. Igreja pronta nós só teremos no céu, onde veremos por completo, tudo vai ser novo e diferente.

Devemos reconhecimento aos irmãos que passaram por cada igreja, de várias gerações, construindo valores para que a igreja hoje pudesse ser o que ela é. E nós precisamos dar continuidade a isso.

A igreja deve priorizar o ensino bíblico, usar a Bíblia como única fonte de fé, de regra e prática. O ensino bíblico é essencial e determinante para as demais áreas da vida.

A comunhão deve ser incentivada através das células, grupos pequenos, celebrações, cultos. Sempre deve haver motivo de comunhão, de compartilhar os valores, as vidas.

O partir do pão simboliza o corpo de Cristo, a pessoa de Cristo e nosso temor a Ele, associado à oração, quando nos comunicamos com Ele. Na igreja as pessoas oram juntas, buscam juntas, falam com Deus. Seus líderes têm a responsabilidade de trazer a palavra, o ensino, a orientação e a direção para a vida das pessoas. Deve-se lutar para que não haja necessitados no seu meio. Seus membros compartilham os bens com os necessitados, para que todos tenham uma vida justa e digna. E assim podem ver os milagres acontecendo e o Senhor trazendo pessoas novas a cada dia.

Hoje você é desafiado a não só querer a igreja, mas a fazer a igreja. É uma alegria pra nós fazermos parte dessa construção para uma nova geração, um novo tempo. Que Deus nos ajude e capacite a fazermos a igreja que cresce e caminha rumo à semelhança de Cristo.

 

Ministério Razão Para Viver

quem voce ehEstamos sempre comunicando quem somos. Não conseguimos resistir a este impulso de declarar a nossa identidade. Queremos que as outras pessoas enxerguem quem somos de verdade.

Nestes dias onde as culturas do mundo estão se conhecendo, as mensagens que comunicamos são contínuas e cada vez mais fortes.

Os muçulmanos declaram quem são pelas disciplinas diárias e as roupas tão diferentes. As pessoas que gostam de tatuagens escolhem os lugares no seus corpos que são mais visíveis para gritar quem são. Executivos usam as roupas caras do sucesso para dizer em voz alta "Eu cheguei!" Os "hipsters" usam as últimas modas e cortes de cabelo para garantir que a gente saiba que são "legais".

O cristão deveria declarar quem é? Como?

Existem pelo menos duas maneiras públicas com as quais o cristão pode e deve se declarar. Uma é pelo batismo e a outra maneira é pela participação na Ceia do Senhor.

Estes dois momentos fantásticos declaram claramente o lugar supremo de Jesus na nossa identidade. Quem leva a sério estas duas declarações não consegue esquecer que Jesus é tudo na sua vida.

Além destas duas, o cristão tem uma outra maneira de declarar  quem é. Declaramos quem somos pela qualidade do nosso amor diário. O amor contínuo de um discípulo é a "disciplina", a "roupa" e o "sucesso" do cristão. E este amor contínuo está sempre na moda ou é  "legal".

Declare claramente quem você é em Cristo. Declare pelo batismo e pela participação na Ceia do Senhor. Mas, não esqueça que a declaração mais poderosa é a qualidade do seu amor diário. Foi assim que Jesus declarou a sua identidade todo dia.

"Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros". João 13:34-35

 

Carlos McCord

Vão ao mundo inteiro e anunciem as boas-novas a todos.